sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Esticar a corda!

Testar limites. É isso que o meu filho tem andado a fazer nos últimos dias. Tem-nos aos dois em casa há uns dias, e temos almoçado nos avós, e ele está "baralhado" com a liberdade que tem nos avós quando nós não estamos, e quando estamos. Não me arrependo por um segundo de ter decidido deixar que ele crescesse com os avós, mas neste momento (quase a fazer 3 anos), sinto que ele precisa de mais. Mais regras, mais disciplina...
A avó adora-o e faz-lhe as vontades todas, pode almoçar a ver televisão, pode espernear que tem o que quer na hora, e mesmo assim ainda diz que a avó é chata... Depois eu gravidérrima, e com a paciência nos níveis negativos, passo-me, e grito e dou palmadas, e dizem que sou uma tirana e que sou má.
Enfim, ele tenta. Tenta lá e tenta aqui connosco, e está doente (constipado e com diarreia) o que não ajuda muito.
Mas noto o desafio nas atitudes, olha para mim, como que a dizer: "não queres mas eu faço na mesma" e a minha frustração atinge os píncaros. Adoro o meu filho, mas há coisas que não lhe posso premitir. E luto, contra os avós e o pai que nem sempre concorda comigo, no entanto, até considero que tive muita sorte. Ele é bem comportado e calmo na maioria das vezes. Porta-se bem quando está sózinho comigo. É vivo, prespicaz e muito inteligente... tem sentido de humor, canta muito e surpreende todos os dias.

1 comentário:

Lina Oliveira disse...

Independentemente de tudo o que à volta dizem ou façam, não desistas nunca de educar, de definir limites e regras. Um dia ele compreenderá que agiste para ele ser uma pessoa melhor :)