segunda-feira, 15 de abril de 2013

Há amores dificeis #3

Não é o caso daquele que sentes pela tua filha. Foi fácil para ti amá-la, quando há 16 anos atrás te comunicaram que ias ser pai. Nessa altura com apenas 25 anos exultaste de alegria, e tal como agora escolheste-me a mim para partilhar a notícia. Fiquei tão feliz. Dizias-me a medo que ela queria abortar, mas que tu não. Tu estavas disposto a largar a vida boémia e a dedicar-te àquele ser que nem conhecias.
Lembro-me depois do dia em que ela nasceu, pequena e refilona. A nossa menina. Amei-a contigo, fiquei contente contigo, ajudei no que pude. Tornaste-te um homem frio, pouco dado a conversas e a gargalhadas. Sorrias apenas para ela, o teu carinho era todo direccionado para ela. Serei testemunha do quanto a amaste, de tudo o que fizeste por ela...
Ela cresceu, e sempre te acompanhou em tudo. Tomou depois uma única opção com que não concordas-te e acredita ela ainda se ressente muito disso.

Ontem as tuas lágrimas eram por ela. Porque tomaste uma decisão que a fez sofrer. Porque sabes, ás vezes temos de tomar decisões que fazem sofrer, mas que nos trarão a paz e a serenidade que tanto ansiamos. E se fosses menos "bruto", mais humilde, era mais fácil para a maioria perceber esta decisão.
Sim, ela vai sofrer. Aquele pedaçinho de gente que cresceu a amar-te, está decepcionada contigo, mas passa! E se tu estiveres feliz ela também vai estar.
Apenas não tornes este amor num amor dificil...

1 comentário:

Diario de uma mae solteira disse...

às vezes é preciso fazer o caminho menos fácil.
Que tudo corra bem