sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Nem sei que titulo lhe dar

Estou a tentar ser mais positiva.
Mas olho para um corpo que não sinto como meu, e a mente não ajuda a inverter a situação. Já esgotei este assunto, e a única justificação que encontro é que sou muito parva, porque se não estou satisfeita. Devia mudar, e isso depende só de mim. Mas pareço inerte, sem reacção, sem uma vontade avassaladora. Entrego-me com paixão a tudo o que faço, mas tenho de a sentir. E não sinto... quero mas não vou à luta. E isto não parece meu.

Outra coisa que me incomoda: Estamos a pensar baptizar o Rafael. Temos uma data e até algumas ideias para a festinha que coincidirá com o aninho dele. Ainda não dissemos a ninguem, excepto aos padrinhos. Porque senhora minha mãe, acha mal que eu não diga ao outro que vou baptizá-lo e acha que ele devia estar presente, pois que isso está fora de questão. Quero o me filho baptizado e não é pela festa, é porque sou católica praticante e é uma vontade minha. Mas penso que quem o deve acompanhar nesse dia, é o pai que o cria e que lhe dá amor. Para ajudar a madrinha ontem disse que também achava mal que eu não lhe dissesse nada. Ora bolas, então ele só está com ele de vez em quando porque haveria de ser ele a acompanhá-lo? Nós somos uma familia, os 3. E é como familia que levaremos o Rafael à pia Baptismal. Não precisamos de mais emplastros. Tenho pena, mas neste assunto não vou deixar ninguem meter a colher, é uma decisão nossa e ponto final. Desde que a minha consciência viva bem com ela e eu saiba depois enfrentar o que poderá vir daí, decido eu.

A minha insegurança como mãe, acentua-se à medida que o tempo passa. E pergunto-me se será normal. Se por um lado não entro em pânico quando ele cai, por outro ando atromentada com receio que ele volte a ficar doente. Se sou descontraída ao ponto de o deixar gatinhar pela casa, e apenas ir vigiando, por outro tenho medo que ele acorde de noite. Se por um lado voo para casa para estar com ele, sempre que o deito fico com a sensação que não o acompanho o suficiente. Se por um lado sinto que o melhor para ele (e para mim), é ele estar com a avó, por outro questiono-me se não seria melhor ter as regras e rotinas do infantário.Se até sei que ele será mais feliz se eu estiver feliz, por outro penso se não será injusto deixá-lo a dormir na avó ocasionalmente para eu descansar, ou "roubar-lhe" algum tempo para voltar ao ginásio... E é assim uma infinidade de dúvidas.

Sou uma mulher realizada profissionalmente, faço o que gosto e nesta profissão que pretendo evoluir, acho que ganho pouco, mas gosto de cá estar, do ambiente  e daquilo que faço. Mas cada vez mais sinto o cansaço e o stress. E tenho medo! Porque tenho o meu filho para criar e agora não sou apenas eu. Tenho um tumor que não está reactivo, mas que vai dando sinais de vida, e o que o pode activar é precisamente o stress, do trabalho e da vida. Vivo com receio de voltar a ter de fazer quimio, e de andar fragilizada. E o meu receio aumenta, porque agora há o Rafael. E eu nunca sofri por antecipação, mas sinto quase uma fobia por ter de repetir exames, com receio dos resultados.

Amo o meu marido, com todos os defeitos e qualidades que ele tem. Há coisas nele que me tiram do sério. Mas não deixo de o amar por isso e sei que não tenho sido a melhor das mulheres para ele. Queria dar-lhe muito mais de mim, mas não primeiro preciso de ter forças para mim. E ele tem sido um querido mas tenho medo que ele se canse de esperar por uma mulher que tarda em vir. E perca a paciência que até agora nos tem ajudado tanto...

6 comentários:

Tanita disse...

Ai Claúdia, tantas perguntas e dúvidas para terminar a semana. Aproveita o fds para pores as ideias em ordem. O que te posso dizer é que tens de fazer o que tu e o teu marido acham certo, quanto ao que os outros pensam? esqueçe. Tu é que sabes o que é melhor para ti e o que ter faz sentir bem. E pensamento positivo ok? Bj**

Patricia disse...

Não sei o que te diga. Eu faria o que eu achasse correcto. Bjcas

Tânia (Mamã do Santiago) disse...

Bem tens tantas perguntas e tantas respostas que só podem ser dadas por ti!Primeiro tens de encontrar as tuas resposta, certas ou erradas são as tuas...

Futura mãmã disse...

Bem querida tudo isso so pode mesmo ser dado por si e voce propria a fazer para mudar tudo isso...
Eu acho que se voce sente que precisa de mudança, arrisque, mude, força, faça algo assim de repente quase sem pensar que sera mais facil para si ja que esta sem vontade ou receio de algo.
O pai de sangue devia saber do batismo mas nao que devia acompanhá.lo...acho que pai mesmo e o homem que esta consigo, que lhe da carinho e amor ao seu filho. Sei que voce disse que decidia e so opiniao ta.
O seu marid nao se vai farta nunca, ele ama-a pense nisso ;)
E tente ser mais positiva daqui para a frenteeee ...
E voce e que sabe o que e melhor para si para sua familia o resto das pessoas...e resto mesmo...
Beijo

Sónia disse...

Tantas duvidas...
tens de ser tua tomar as decisões, boas ou más.
Beijinhos e força para ir em frente :)

Mamã da Caroxinha disse...

Tantas perguntas, a que só tu podes responder...
Detesto ver-te assim, sei o mal que te faz e o quão difícil é dar a volta por cima...mas tou aqui para tudo já sabes!
O Nuno ama-te mais do que tudo, tu sabes e por isso vai continuar ao teu lado como sempre, com o mesmo amor e os mesmos defeitos que tem, mas até por isso tu o amas,certo?
Do batizado do Rafinha acho que estás coberta de razão, o pai dele é o Nuno porque ele é que o ama, educa, acarinha e concola quando ele precisa. Façam uma bela festa os três, se vires que tal nem precisas de mais ninguém pois afinal a família importante são vocês os 3, o resto é só um complemento...
As outras questões amiga, só tu podes responder, mas se achas que tens de mudar muda, mas fá-lo por ti e para ti, não só porque os outros acham...
beijocas