sexta-feira, 19 de julho de 2013

A (in)tranquilidade de o deixar

Amo o meu filho com todas as minhas forças, sei que sou uma grande parte do seu mundo e sei a falta que lhe faço diariamente. E agora que a faculdade acabou não há necessidade de ele dormir na avó. A avó que o adora, todos os dias pergunta, se eu quero que ele fique a dormir, para eu descansar. A verdade é que eu tenho um problema de saúde, que requer descanso. Mas sinto tanta culpa por o deixar a dormir na avó, quando sei que ele adora chegar a "noxa casa", e ir para a sala, onde tem o seu mundo os seus brinquedos. Ontem porém, as minhas dores de cabeça estavam a deixar-me louca, foi um dia inteiro a quase bater com a cabeça nas paredes, ao fim do dia sentia-me estoirada, e sem paciência, não tive corage (e descernimento) para o deixar na avó, e foi o descalabro... O desfralde que dura quase há 3 meses está a ser dificil, se não o levarmos ao bacio ele simplesmente não pede... e eu tinha acabado de perguntar se queria fazer xixi, e fui logo ter com ele para o levar, estava sentado no sofá completamente encharcado... fiquei fula e não me controlei. Gritei, gritei muito, fiz um esforço enorme para não lhe dar uma palmada, ele não tinha dormido a sesta e chorou mais do que o costume, e eu grite e gritei... e ele dizia alto "não gitas mãe", e virava-me a mão.. e então caí e mim, e chorei... tentei acalmar-me e pedi desculpa, dizendo que estava triste por ele ter feito xixi... mas o mal estava feito, já tinha gritado e já me tinha descontrolado... quando estou assim cansada a minha capacidade de pensar fica limitada e o pai a trabalhar de noite é pior ainda, é como se ele fosse o ponto de equilibrio que me chama a atenção quando exagero. Eu não queria gritar, mas sentia-me tão cansada e desesperada, não consegui evitar. Uma hora mais tarde, depois de termos brincado, com ele aninhado no meu colo voltei a chorar de arrependimento e frustração, como é que me descontrolei assim? E então percebi que teria sido melhor deixa-lo a dormir na avó, porque ele sentiria a falta da nossa casa, e a minha, mas a avó e o avô são mais pacientes, e tolerantes e ontem ele teria sido certamente mais feliz e eu teria descansado. Por isso, e apesar de toda a culpa que não deixo de sentir, hoje vou engolir tudo isso, e pedir à avó que me ajude. Ela adora ficar com ele, e eu preciso de descansar... fico tranquila porque sei que ele está bem mas não suporto pensar que ele pergunta por mim, e não consigo deixar de pensar que espécie de mãe sou, que não tem paciência para ficar com o filho...

1 comentário:

Nelita disse...

Quando não estamos bem , nunca se conseguimos dar o melhor de nós.
Não te sintas culpada, se sabes que não lhe consegues dar o melhor que tens para dar, cuida de ti' para que depois possas cuidar bem dele.
Beijinhos